quarta-feira, 16 de novembro de 2011

# 21 - A proposição


Olá, pessoal!

Nesta filmagem, falo sobre o conceito de proposição.

A proposição é o modo linguístico como falamos do mundo. O mundo é composto de fatos, os quais são um estado de coisas que se apresenta a nós. Não precisa se apresentar para ser fato, pois o fato de haver uma árvore no Japão não está presente e ainda é um fato.

Então tenho o fato a casa é grande. Se eu emitir a proposição "A casa é grande" e, de fato, a casa for grande, então estou falando a verdade. Se eu disser que a casa não é grande, então estou falando uma falsidade. Observe também que os elementos dentro da proposição também vão corresponder a elementos do fato. O sujeito da proposição casa corresponde à coisa casa, a qual está na relação do fato. O predicado grande corresponde à propriedade da coisa casa de ser grande, mesmo que esse elemento não seja uma coisa física e, sim, uma propriedade.

Verdadeiro e falso são valores de verdade da proposição. A proposição pode ser verdadeira ou falsa, conforme a correspondência com fato. Se há correspondência, então é V. Se não há, então é F. Então posso definir a verdade como correspondência entre proposição e fato. Não obstante, existem outras definições de verdade noutras correntes da filosofia.

Felicidades e até a próxima!

5 comentários:

  1. Olá Gabriel, tudo bem? Sou eu, o Kai, do House of Reason, lembra?
    Então, fiz outro blog também sobre filosofia, qual estou passando a usar no lugar do House, que é o Blog Filosofia (nome criativo ne?)!
    Então, caso queira olhar: http://oblogfilosofia.blogspot.com/

    Tava pensando em seu blog e o meu ter uma parceria, o que acha? Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Olá, Gabriel. Conheci seu blog através de uma foto que está correndo do FACEBOOK e vim movida pela curiosidade conhecer seu trabalho. Em primeiro lugar, meus parabéns pelo excelência no que faz. É muito digno de sua parte compartilhar tantas ideias e opiniões. Num mundo cheio de pragmatismo, é muito difícil encontrar pessoas tão inteligentes e generosas. É de iniciativas como essa que precisamos para movimentar essa sociedade que parece estática no campo dos princípios e valores. Difundir esse conteúdo multiplica a vontade de aprender. Parabéns de novo! Um abraço, Brenda Ribeiro.

    ResponderExcluir
  3. Obrigado pelo reconhecimento Brenda! Tento, na medida do possível, divulgar essa magnífica arte chamada filosofia, a qual provoca no sujeito uma mente crítica e uma maior capacidade de abstração conceitual.

    Abraço,
    Gabriel. : )))

    ResponderExcluir
  4. Olá Gabriel, gostei muito do seu blog, uma dúvida: Se o fato é que a mesa é verde, e depois dizer que não é verde, o "não é" é uma falsidade, mas como eu saberei se a mesa verde é falsa ou verdadeira? da imagem que a minha mente projeta?

    ResponderExcluir
  5. Olá Guimarães!

    Que bom que gostaste!
    O problema a que te referiste pertence à Teoria do Conhecimento (epistemologia), um ramo da filosofia. O conhecimento da verdade ou falsidade de uma proposição vai depender da experiência sensível. O dado sensível é a experiência que vem aos sentidos. Então vejo o fato de que a mesa é verde e daí posso extrair a verdade da proposição "a mesa é verde".

    Enquanto não tenho a experiência sensível, não posso verificar ou falsificar uma proposição. Acontece que posso confiar na experiência de outra pessoa. Se uma pessoa na Europa me diz que lá está nevando, posso confiar nela, mesmo sem ter ido lá ter a experiência sensível.

    Abraço!

    ResponderExcluir